Assim que entramos num ambiente Montessori sentimos que a Arte está presente, sem precisar de ver as paredes repletas dos trabalhos de por quem lá anda… respira-se ao ver a ordem e organização do ambiente, a harmonia de cores em cada bandeja, as jarras de flores coloridas que encantam cada mesa, os vasos de plantas que dão uma vida tão especial e imagens verdadeiramente inspiradoras timidamente pelas paredes ou tripés e ainda livros com ilustrações que nos fazem brilhar os olhos.

A melhor forma de viver a arte é sem dúvida educar os sentidos para que esta nos corra nas veias, ser capaz de olhar para a beleza, simetrias, assimetrias, semelhanças, diferenças (sons, cores, formas, odores, texturas), e nestes primeiros 6 anos absorver com todos os nossos sentidos o que de mais belo há no mundo.

Sentir assim a harmonia entre composições, cores, formas, sons, após conhecer cada elemento que os compõem separadamente.

Por isso começamos por trabalhar a Arte, preparando todo um ambiente onde esta possa ser sentida e absorvida, desenvolvendo a base do sentido estético, do belo, sendo que cada um sente e vive a arte de forma muito própria inerente ao seu processo de maturação e estado emocional.

Há diversos materiais específicos que nos permitem trabalhar este sentido estético e explorar diversas artes e técnicas.

Começamos, através de atividades de vida prática, a perceber a harmonia inerente à ordem dos objetos, sequências de apresentações, coerência de cores, leveza do movimento, cuidado e graciosidade. Temos diversas atividades específicas relacionadas com arte na área de vida prática como o arranjo de flores em jarras; cuidado de plantas, pintura em cavalete; modelagem de barro; desenho e pintura livre com diferentes materiais e técnicas (guache, aguarela, giz, ceras…); picotagem e composição de colagens com materiais de diferentes texturas, cores, formas; costura em cartão; costura de botões; costura em ponto de cruz; cuidado da roupa; cuidado do jardim; cuidado do ambiente interior (sala de aula).

Na área de sensorial despertamos os sentidos para as diferentes texturas, cores, formas, sons, dimensões, e relações entre estas, preparando a base para observar os detalhes em tudo o que nos rodeia, através de um sem número de materiais e jogos com fim de “refinar” os sentidos, dando-nos as chaves para decifrar o mundo.

Nas atividades de linguagem nomeamos tudo o que aprendemos e conhecemos, damos nome às cores, às texturas, às notas musicais, às formas, aos pássaros, às flores, às árvores, aos músicos famosos de diferentes épocas, aos pintores e escultores, às técnicas artísticas, aos estilos musicais, …. um sem fim de potencialidades!

E por último nas matemáticas, consideradas como uma extensão da área de sensorial, iremos materializar conceitos abstratos, colocando uma ordem, conhecendo a lógica, relacionando, verificando simetrias e assimetrias, categorizando e colocando cada “coisa” no seu devido lugar.

Cada uma das atividades segue uma lógica na sua preparação, apresentação, organização e relação entre as demais atividades.

No fim-de-semana passado tive uma bela surpresa ao acompanhar as minhas filhas a uma oficina “De Cor em Corpo”* em que a atividade artística realizada respeitava todos os princípios de uma atividade Montessori 🙂

  1. A orientadora começou por preparar o ambiente, colocando no centro da sala uma bonita paleta de 16 cores, devidamente identificada, com os pincéis correspondentes a cada cor rotulados, bem como organizada a forma de limpar os pincéis.
  2. A atividade foi apresentada (neste caso em grande grupo), ou seja, foram explicadas as regras para o bom uso dos materiais, como proceder se necessitassem de ajuda, como proceder se houvesse um “acidente” para que todos pudessem desfrutar e aproveitar ao máximo a atividade
  3. Por fim foi pedido que ninguém comentasse o trabalho dos outros, focando-se cada um no seu, o que permitiu que cada um pintasse livremente, sem pressões, sem julgamentos, sem necessidade de cumprir com expectativas de outros, mas simplesmente usufruir de um momento para sua própria expressão e exploração.
  4. Assim foi possível proporcionar um espaço seguro para a liberdade de expressão, para a pintura espontânea livre de julgamentos ou modelos.

A criança mais pequena que lá estava tinha 2 anos e meio, ainda que a atividade fosse para maiores de 3, esta após ouvir as “instruções” seguiu cada passo com toda a calma e tranquilidade, pintando com o coração de forma espontânea, promovendo a sua estabilidade emocional, auto estima e autonomia, podendo observar-se lindos momentos de profunda concentração.

Uma excelente experiência onde exploramos a arte num ambiente respeitador do ritmo, interesse de cada um e simultaneamente promotor de autonomia e de auto-descoberta.

“Não creio que haja um método melhor que o montessori para sensibilizar as crianças sobre as belezas do mundo e para despertar sua curiosidade para os segredos da vida” Gabriel García Márquez (Prémio Nobel de Literatura)

Joana Rebelo

 

*Pode ver mais sobre estas oficinas com a Cristiana Santos aqui: https://www.facebook.com/events/566739840369938/?active_tab=about

Artigo Seguinte
Artigo Anterior