No outro dia, numa Escola Montessori, participava na celebração da 5ª volta ao sol de um menino. Este contava que aos 3 anos tinhas mudado de escola, estava muito feliz nesta escola referindo que o que mais gostou nesta mudança, foi que aqui ninguém lhe batia, tinha imensas atividades interessantes e que podia escolher com o que queria trabalhar.

Achei delicioso, mas fiquei em choque quando ouvi “gosto muito de estar aqui porque ninguém me bate…”. Realmente como é que esperamos que uma criança goste da escola, se entusiasme por aprender, se a cada passo tem estar a olhar por cima do ombro a ver se alguém lhe vai bater… é claramente a lei da sobrevivência, e na pirâmide das necessidades se a segurança não está garantida, como é que posso aspirar a outros patamares?

Confesso que estas questões mexem comigo, e questiono o papel dos educadores, e confesso que me incomoda ouvir: “o mundo é uma selva, tens de te defender!”

Ainda a propósito, no outro dia numa festa de aniversário, onde num apartamento simpático estavam cerca de 15 crianças de diferentes idades, e de repente uma pequena bate a uma maior, esta permanece imóvel e começa a chorar. Quando as mães se apercebem tratam de rapidamente separar ambas criaturas, a maior em choque e a mais pequena sem perceber exatamente o que tinha acontecido. A mãe da mais nova tenta mostrar-lhe que este comportamento magoa e deixa a outra triste, levando-a a desculpar-se. A mãe da mais velha, com a melhor das intensões diz-lhe: “Defende-te, bate-lhe, tens de te defender!!!”

Compreendo que nenhuma mãe gosta de ver sofrer um filho e sente que de alguma maneira lhe deve ajudar a encontrar ferramentas para se defender, mas contra atacar, não é de todo a melhor defesa.

E perguntam vocês, então o que deveria fazer?

Pois eu não tenho as respostas milagrosas, tenho a minha experiência e o que vou vejo e leio, e confesso que defender-se, SIM. Às vezes algo como colocar um braço à frente, separando o nosso corpo de quem agride, afastar o outro, sair da situação e dizer ao outro: “PÁRA!! Não gosto que me batas, isso magoa.” Expressar-se de forma racional e não de forma violenta. E se não consegue solucionar sozinha, procurar ajuda.

Sermos capazes de dizer o que sentimos é um trabalho longo, mas é de pequeno que se começa, e podem imaginar o quão delicioso é ouvir um ser de 5 anos dizer: “Não gosto que me sirvam, obrigada, prefiro servir-me sozinha!”… bem, rapidamente, de forma clara e assertiva coloca qualquer um no lugar, crianças e adultos…. E não, não é uma falta de respeito, é o expressar um sentimento e uma necessidade, é bem melhor que desatar a gritar e bater com os pés no chão!!

Claro que há situações em que isto pode não ser exatamente assim, e o que a criança necessita não poder ser naquele momento, mas podemos responder-lhe da mesma maneira: “Compreendo que prefiras servir-te sozinha, mas sei que se o fizeres vais apenas servir-te do que mais gostas e é importante que tenhas uma refeição equilibrada, pelo que te podes servir sozinha primeiro e se eu vir que falta algo acrescento!”. E assim cada um tem oportunidade de expressar o que sente, pensa, receios, ansiedades e a comunicação flui.

Sim, a situação pode não ser bem recebida, e muitas vezes há na mesma birra e frustração, mas será com certeza menor e faz parte do crescimento e processo de maturação.

Desta forma respeitamos a criança, o seu crescimento, desenvolvimento, necessidades, falando de igual para igual!

Artigo Seguinte
Artigo Anterior

No outro dia, numa Escola Montessori, participava na celebração da 5ª volta ao sol de um menino. Este contava que aos 3 anos tinhas mudado de escola, estava muito feliz nesta escola referindo que o que mais gostou nesta mudança, foi que aqui ninguém lhe batia, tinha imensas atividades interessantes e que podia escolher com o que queria trabalhar.

Achei delicioso, mas fiquei em choque quando ouvi “gosto muito de estar aqui porque ninguém me bate…”. Realmente como é que esperamos que uma criança goste da escola, se entusiasme por aprender, se a cada passo tem estar a olhar por cima do ombro a ver se alguém lhe vai bater… é claramente a lei da sobrevivência, e na pirâmide das necessidades se a segurança não está garantida, como é que posso aspirar a outros patamares?

Confesso que estas questões mexem comigo, e questiono o papel dos educadores, e confesso que me incomoda ouvir: “o mundo é uma selva, tens de te defender!”

Ainda a propósito, no outro dia numa festa de aniversário, onde num apartamento simpático estavam cerca de 15 crianças de diferentes idades, e de repente uma pequena bate a uma maior, esta permanece imóvel e começa a chorar. Quando as mães se apercebem tratam de rapidamente separar ambas criaturas, a maior em choque e a mais pequena sem perceber exatamente o que tinha acontecido. A mãe da mais nova tenta mostrar-lhe que este comportamento magoa e deixa a outra triste, levando-a a desculpar-se. A mãe da mais velha, com a melhor das intensões diz-lhe: “Defende-te, bate-lhe, tens de te defender!!!”

Compreendo que nenhuma mãe gosta de ver sofrer um filho e sente que de alguma maneira lhe deve ajudar a encontrar ferramentas para se defender, mas contra atacar, não é de todo a melhor defesa.

E perguntam vocês, então o que deveria fazer?

Pois eu não tenho as respostas milagrosas, tenho a minha experiência e o que vou vejo e leio, e confesso que defender-se, SIM. Às vezes algo como colocar um braço à frente, separando o nosso corpo de quem agride, afastar o outro, sair da situação e dizer ao outro: “PÁRA!! Não gosto que me batas, isso magoa.” Expressar-se de forma racional e não de forma violenta. E se não consegue solucionar sozinha, procurar ajuda.

Sermos capazes de dizer o que sentimos é um trabalho longo, mas é de pequeno que se começa, e podem imaginar o quão delicioso é ouvir um ser de 5 anos dizer: “Não gosto que me sirvam, obrigada, prefiro servir-me sozinha!”… bem, rapidamente, de forma clara e assertiva coloca qualquer um no lugar, crianças e adultos…. E não, não é uma falta de respeito, é o expressar um sentimento e uma necessidade, é bem melhor que desatar a gritar e bater com os pés no chão!!

Claro que há situações em que isto pode não ser exatamente assim, e o que a criança necessita não poder ser naquele momento, mas podemos responder-lhe da mesma maneira: “Compreendo que prefiras servir-te sozinha, mas sei que se o fizeres vais apenas servir-te do que mais gostas e é importante que tenhas uma refeição equilibrada, pelo que te podes servir sozinha primeiro e se eu vir que falta algo acrescento!”. E assim cada um tem oportunidade de expressar o que sente, pensa, receios, ansiedades e a comunicação flui.

Sim, a situação pode não ser bem recebida, e muitas vezes há na mesma birra e frustração, mas será com certeza menor e faz parte do crescimento e processo de maturação.

Desta forma respeitamos a criança, o seu crescimento, desenvolvimento, necessidades, falando de igual para igual!

Artigo Seguinte
Artigo Anterior