Muitos perguntam porque é que celebramos algo de que não temos grande tradição…  efetivamente não é uma festividade que nos diga tanto como em outros países, contudo em Montessori sentimos que somos parte de um mundo global, que independentemente do País em que nascemos, é culturalmente muito mais rico perceber o que se passa à nossa volta. Perguntarmo-nos e investigarmos de onde é que certas tradições vêm, de onde é que são naturais certos animais, plantas e frutos, e com o aumento do movimento das pessoas entre países e continentes deparamo-nos com frequência, com ambientes montessori com crianças de diferentes culturas.

Ao pesquisar sobre o Halloween, percebemos que é celebrado em diferentes países e que é de facto um dos feriados mais antigos (tem origem ainda antes do século VII), cujas raízes remontam ao festival Celta de Samhain (que marcava o fim do verão), tendo sido levado para a América pelos imigrantes ingleses e irlandeses. O termo “Hallowe’en” surgiu apenas no século XVII e é uma abreviatura escocesa de “Allhallow-even”, literalmente “noite de todos os santos” (“eve of all saints”). Apesar de ter sido substituído no século VII por uma festividade católica, mais de dois mil anos depois pessoas por todo o mundo continuam a celebrar a chegada do inverno da mesma forma que os antigos celtas, mas com uma grande festa repleta de doces e máscaras.

No entanto, as celebrações variam muito de país para país! Em Portugal temos o Pão por Deus, no México e noutros países latinos é celebrado o Dia de los Muertos, em países como a Irlanda (onde o Halloween nasceu!), o Canadá e os Estados Unidos da América, crianças e adultos celebram este dia usando elaboradas máscaras assustadoras, batendo de porta em porta com o famoso “trick or treat”, e no Brasil celebra-se o dia do Saci-Pereré.

  • Pão por Deus, celebrado em Portugal no dia 1 de Novembro, Dia de Todos-os-Santos em Portugal, as crianças saem à rua e juntam-se em pequenos bandos para pedir o Pão por Deus de porta em porta. Este era o dia em que antigamente se oferecia pão, bolos, vinho e outros alimentos aos mortos, de forma a pedir pela sua alma. Antigamente relembrava a algumas pessoas o que aconteceu no dia 1 de Novembro de 1755, aquando do terramoto de Lisboa, em que as pessoas que viram todos os seus bens serem destruídos na catástrofe, tiveram que pedir “Pão-por-Deus” nas localidades vizinhas que não tinham sofrido danos. Com o passar do tempo, o Pão por Deus sofreu algumas alterações, e os meninos que batem de porta em porta podem receber dinheiro, rebuçados ou chocolates.

 

  •  Dia de los Muertos, celebrado no México, honra os mortos e reconhece a morte como uma continuação da vida. Teve inicio há mais de 3000 anos e mantém as ideias básicas iniciais do ritual Azteca original. Este ritual era celebrado durante no 9º mês do calendário Solar Azteca (inicios de agosto) e era celebrada todo o mês. Quando os espanhóis foram para o México não compreendiam esta tradição e mudaram-na para dia 1 e 2 de forma a coincidir com o dia de Todos os Santos numa tentativa de “cristianizar” o ritual. Hoje em dia, este dia é celebrado usando máscaras de madeira representando caveiras (calacas), dançando, criando altares, confecionando doces com forma de caveiras e visitando cemitérios onde se encontram os familiares. Nos cemitérios as pessoas decoram as campas e realizam piqueniques no cemitério, muitas vezes acompanhando as comidas favoritas dos defuntos com tequilha e bandas mariachis.

 

  • Halloween celebrado na Irlanda, nas áreas rurais, os irlandeses acendem fogueiras, como no tempo dos Celtas, e um pouco por todo o país, as crianças fantasiam-se e durante a tarde batem de porta em porta para pedir doces e pegar partidas aos vizinhos. Depois disso, a maior parte das pessoas reúne-se com amigos em pequenas festas, onde os jogos são o grande destaque.

 

  • Na segunda metade do século XIX, os Estados Unidos da América foram invadidos por imigrantes irlandeses. A chegada de um tão grande número de irlandeses a solo norte-americano ajudou a espalhar a celebração do Halloween. Apropriando-se de uma tradição originalmente britânica e irlandesa, os norte-americanos começaram a mascarar-se e a pedir dinheiro ou comida de porta em porta, uma prática que acabou por se tornar no atual “trick or treat” (“doçura ou travessura”).

 

  • No Brasil o Dia do Saci é comemorado anualmente a 31 de outubro. A data homenageia o Saci-Pererê, figura mitológica do imaginário folclórico brasileiro, com o intuito de ajudar a valorizar o folclore nacional e resistir assim à cultura norte-americana. O objetivo é conscientizar a população sobre a rica variedade cultural do folclore brasileiro. Há quem diga que a lenda do Saci-Pererê surgiu no sul do Brasil, em meados do século XVIII, onde as histórias populares narravam as travessuras de um pequeno índio que assustava os animais e destruía plantações. Porém, quando a lenda chegou ao norte do país, as características do personagem mudaram. Passou a ser negro, usar um gorro vermelho, a fumar um cachimbo (por influência da cultura africana na região) e tendo apenas uma perna. No Dia do Saci as pessoas podem optar por fantasias que caracterizam os seres sobrenaturais do folclore brasileiro, como o próprio Saci-Pererê, ou a Matinta Pereira, o Curupira e a Caipora.

Desta forma, e como encontramos em salas Montessori globos terrestres, planisférios e mapas específicos de cada continente, podemos aproveitar esta data culturalmente tão rica, e fazer um levantamento de imagens (e respetivas histórias) onde se refletem as tradições de cada país e associá-las ao continente e/ou país correspondente.

E claro, não perder a oportunidade para fazer um delicioso Pão por Deus, do qual deixamos aqui a receita que experimentamos 🙂

Ingredientes: 1kg de batata cozida; 1kg de farinha;  4 ovos;  750 gramas de açúcar; 150 gramas de manteiga; Canela; Fermento; Erva-doce.

Preparação: Misturar tudo, fazer pequenas bolinhas, colocar no forno e quando estiver cozido e ligeiramente tostado, está pronto a comer.

 

Bom feriado,

Joana Rebelo

Artigo Seguinte
Artigo Anterior