Foi durante os últimos meses de gravidez que me cruzei com Montessori. Na altura ainda estava muito longe de imaginar o quanto esta descoberta mudaria a minha vida e, olhando em retrospetiva, se me tivessem dito que Montessori iria representar algo tão valioso e significativo para mim, não teria acreditado.

Confesso que comecei como muita gente começa, à procura de ideias para montar o quarto do bebé. De cada vez que fazia uma pesquisa na Internet, ficava deslumbrada com os quartos de inspiração Montessori e assim, fui pesquisando as primeiras ideias e a tirando os primeiros apontamentos.

Assim que mudamos de casa e tivemos espaço, a primeira coisa que fizemos foi colocar as camas no chão (ah sim, ainda não vos disse, eram gémeos!). Recordo-me de algumas reações e de uma ou outra pergunta “tens a certeza?”. A verdade é que não tinha, não fazia ideia se iria correr bem, mas estava disposta a tentar. Foi amor à primeira vista e com 10 meses, vi um entusiasmo imenso nas minhas filhas de cada vez que subiam e desciam da cama. Talvez fosse por aqui o caminho.

Seguiram-se outras adaptações à casa, muitas leituras, mas acima de tudo uma constatação da alegria que elas demonstravam sempre que lhes era permitido fazer as coisas por elas próprias. Havia um brilho especial no olhar e um sorriso definido no rosto. Por vezes, a vida dá-nos muito poucas certezas, mas esta foi sem dúvida uma delas: Montessori era aquilo que eu, enquanto mãe, queria para as minhas filhas.

Em setembro de 2016 inscrevi-me numa formação em Pedagogia Montessori no dia a dia com a Joana Rebelo. Esperava compreender princípios e conhecer novas ideias e formas de aplicação. O que eu não esperava era ficar ainda mais apaixonada. O entusiamo era contagiante e eu tentava, durante aquelas 8 horas, absorver toda a informação. Mas a mente absorvente traía-me e recordo-me da dualidade de sentimentos com que fiquei – uma excitação enorme no peito: é isto! misturada com um e agora como é que, para além de em casa, elas podem ter acesso a esta forma de aprender?

É engraçado como há dias que mudam a nossa vida e muitas vezes só nos apercebemos disso meses depois. É que, nesta formação, revi uma amiga, a Rosana, que viria impulsionar o projeto. Foi com ela que partilhei aquilo que estava a sentir, só para me aperceber, que ela estava a pensar exatamente o mesmo que eu: E agora?

Sem dúvida que Montessori é muito mais que uma pedagogia, é algo que nos apaixona, é uma forma de estar na vida, uma filosofia que nos guia enquanto pais e educadores. Aquilo que mais desejo é que possamos partilhar esta paixão e este projeto com todos os que se queiram juntar.

Joana Magalhães

Artigo Seguinte
Artigo Anterior
Foi durante os últimos meses de gravidez que me cruzei com Montessori. Na altura ainda estava muito longe de imaginar o quanto esta descoberta mudaria a minha vida e, olhando em retrospetiva, se me tivessem dito que Montessori iria representar algo tão valioso e significativo para mim, não teria acreditado. Confesso que comecei como muita gente começa, à procura de ideias para montar o quarto do bebé. De cada vez que fazia uma pesquisa na Internet, ficava deslumbrada com os quartos de inspiração Montessori e assim, fui pesquisando as primeiras ideias e a tirando os primeiros apontamentos. Assim que mudamos de casa e tivemos espaço, a primeira coisa que fizemos foi colocar as camas no chão (ah sim, ainda não vos disse, eram gémeos!). Recordo-me de algumas reações e de uma ou outra pergunta “tens a certeza?”. A verdade é que não tinha, não fazia ideia se iria correr bem, mas estava disposta a tentar. Foi amor à primeira vista e com 10 meses, vi um entusiasmo imenso nas minhas filhas de cada vez que subiam e desciam da cama. Talvez fosse por aqui o caminho. Seguiram-se outras adaptações à casa, muitas leituras, mas acima de tudo uma constatação da alegria que elas demonstravam sempre que lhes era permitido fazer as coisas por elas próprias. Havia um brilho especial no olhar e um sorriso definido no rosto. Por vezes, a vida dá-nos muito poucas certezas, mas esta foi sem dúvida uma delas: Montessori era aquilo que eu, enquanto mãe, queria para as minhas filhas. Em setembro de 2016 inscrevi-me numa formação em Pedagogia Montessori no dia a dia com a Joana Rebelo. Esperava compreender princípios e conhecer novas ideias e formas de aplicação. O que eu não esperava era ficar ainda mais apaixonada. O entusiamo era contagiante e eu tentava, durante aquelas 8 horas, absorver toda a informação. Mas a mente absorvente traía-me e recordo-me da dualidade de sentimentos com que fiquei – uma excitação enorme no peito: é isto! misturada com um e agora como é que, para além de em casa, elas podem ter acesso a esta forma de aprender? É engraçado como há dias que mudam a nossa vida e muitas vezes só nos apercebemos disso meses depois. É que, nesta formação, revi uma amiga, a Rosana, que viria impulsionar o projeto. Foi com ela que partilhei aquilo que estava a sentir, só para me aperceber, que ela estava a pensar exatamente o mesmo que eu: E agora? Sem dúvida que Montessori é muito mais que uma pedagogia, é algo que nos apaixona, é uma forma de estar na vida, uma filosofia que nos guia enquanto pais e educadores. Aquilo que mais desejo é que possamos partilhar esta paixão e este projeto com todos os que se queiram juntar. Joana Magalhães
Artigo Seguinte
Artigo Anterior